Seguidores

terça-feira, janeiro 13, 2015

Estudos para Celula de Crianças- Paulo Sofre Naufragio



Em uma das viagens de Paulo como missionário, ele foi preso e o mandaram de navio para a Itália, mas  Paulo entendia que isso era a vontade de Deus. Quando ele entrou no barco disse para o chefe dos guardas que a viagem era perigosa e que além de poder perder  a carga que estavam levando, poderiam perder suas vidas, mas o chefe não acreditou em Paulo,  e seguiram a viagem. De repente  um vento forte...


Data: 18/01/2015
Título:  “ Paulo Sofre Naufrágio”
1- Recepção / Bate-papo (Receba as crianças, cumprimente-as e converse um pouco com elas sobre a sua semana).
2- Louvor / Adoração
3- Oferta:Líder,  ensine o principio de oferta e dizimar
4- Pedidos de Oração:
5-Revisão da lição anterior: Paulo e Silas na Prisão (Faça perguntas às crianças).
6- Objetivo: Mostrar as crianças que Deus nunca desampara os seus filhos, que às vezes passamos por momentos difíceis, mas Deus tem propósito em todas as coisas.
7-Quebra-Gelo: Você tem medo morrer? Por quê? (líder explique para as crianças que quem tem Cristo no coração não tem medo de morrer, pois confia em Deus).
8- Versículo para Memorizar: “Pois sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus,...” (Rom.8:28)
9- Referência Bíblica: Atos 27
10-Mensagem: Em uma das viagens de Paulo como missionário, ele foi preso e o mandaram de navio para a Itália, mas  Paulo entendia que isso era a vontade de Deus. Quando ele entrou no barco disse para o chefe dos guardas que a viagem era perigosa e que além de poder perder  a carga que estavam levando, poderiam perder suas vidas, mas o chefe não acreditou em Paulo., e seguiram a viagem. De repente  um vento forte veio e começou a empurrar o barco para onde ele queria. Os marinheiros ficaram com muito medo e achando que iam morrer.  Paulo falou que ele tinha avisado que não saíssem do porto que era perigoso, mas agora eles deviam confiar que o Deus que Paulo servia não ia deixar que ninguém morresse e que ficassem calmos porque nenhuma vida se perderia. Depois de alguns dias, mais ou menos à meia-noite, os marinheiros começaram a sentir que estávamos chegando perto da terra. Então jogaram no mar uma corda com um peso na ponta e viram que a água ali tinha trinta e seis metros de fundura. Mais adiante tornaram a medir, e deu vinte e sete metros. Eles ficaram com muito medo de que o navio fosse bater contra as rochas, e oraram para que amanhecesse logo.  Aí os marinheiros tentaram escapar do navio. Baixaram o bote no mar, fingindo que iam jogar âncoras da parte da frente do navio. Então Paulo disse ao oficial romano e aos soldados: — Se os marinheiros não ficarem no navio, vocês não poderão se salvar. Aí os soldados cortaram as cordas que prendiam o bote e o largaram no mar. De madrugada Paulo pediu a todos que comessem alguma coisa e disse: — Já faz catorze dias que vocês estão esperando e durante este tempo não comeram nada. Agora comam alguma coisa, por favor. Vocês precisam se alimentar para poder continuar vivendo. Pois ninguém vai perder nem mesmo um fio de cabelo. Em seguida Paulo pegou pão e deu graças a Deus diante de todos. Depois partiu o pão e começou a comer. Então eles ficaram com mais coragem e também comeram. No navio éramos ao todo duzentas e setenta e seis pessoas. Depois que todos comeram, jogaram o trigo no mar para que o navio ficasse mais leve. Quando amanheceu, os marinheiros não reconheceram a terra, mas viram uma baía onde havia uma praia. Então resolveram fazer o possível para encalhar o navio lá. Eles cortaram as cordas das âncoras, e as largaram no mar, e desamarraram os lemes. Em seguida suspenderam a vela do lado dianteiro, para que pudessem seguir na direção da praia. Mas o navio bateu num banco de areia e ficou encalhado. A parte da frente ficou presa, e a de trás começou a ser arrebentada pela força das ondas. Os soldados combinaram matar todos os prisioneiros, para que nenhum pudesse chegar até a praia e fugir. Mas o oficial romano queria salvar Paulo e não deixou que fizessem isso. Pelo contrário, mandou que todos os que soubessem nadar fossem os primeiros a se jogar na água e a nadar até a praia. E mandou também que os outros se salvassem, segurando-se em tábuas ou em pedaços do navio. E foi assim que todos chegamos à terra sãos e salvos.
 11- Aplicação: Paulo passou por uma grande dificuldade, quando ele  foi preso, o levaram de navio para outra cidade e seu navio afundou, mas ele não temeu, confiou em Deus e nenhum mal aconteceu a ele e a todos que estavam no barco e todos creram no Deus de Paulo. Às vezes coisas ruins acontecem conosco também e podemos ficar com medo e nós podemos pensar que Deus não está vendo, que estamos sozinhos, mas nada escapa dos olhos de Deus e tudo o que acontece conosco contribui para o nosso bem, mesmo que no primeiro momento pareça ruim, mas depois veremos que foi para o nosso bem. Pois Deus nunca nos deixa só e todas as coisas contribuem para o nosso bem.
Use uma bexiga para as crianças enxerem dizendo os medos delas, cada vez que ela assopra a bexiga fala um medo, depois orem quebrando todos os medos e estourem as bexigas como um ato profético, para que todo o medo vá embora.
12- Atividade: Use uma bexiga para as crianças enxerem dizendo os medos delas, cada vez que ela assopra a bexiga fala um medo, depois orem quebrando todos os medos e estourem as bexigas como um ato profético, para que todo o medo vá embora.
Paulo Sofre Naufrágio - Slides

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TRADUTOR